domingo, junho 15, 2008

que falta em mim:

Deve ser e é. Algo que me falta e que não me será tirado. Não assim tão rápido e nem assim tão fácil. Relutei contra o crescimento, mas só no ínicio. Não tenho a mínima vontade de recomeçar uma guerra pra retirar as bandeiras do meu território conquistado. E sabe? Vou conquistar meus campos verdes, verdinhos. Vou fincar minhas bandeiras de amor e dizer que amo e que está dentro, que vive que tem, que existe e que não sairá. Até permito uns passeios, mas que volte e descanse no meu sofá bem vermelhinho. Chás, cafés (sem açúcar, moça, por favor!), cervejas, águas - meus olhos de estrelas (até quando?) sempre serão.


(um comentário solto, só.)

6 comentários:

Ni disse...

Sempre serão, crescentes (e as minhas, de sempre).

mexicano disse...

=D

A. Raspini disse...

meu 1° comentario! rsrs

=*

a. disse...

gostei muito dos textos, moça!
vai pros meus favoritos.

Rômulo disse...

Agora que li tudo, eu fui entender porque você advertiu para que nos divertíssemos nas suas cores. Seu blog é mesmo muito colorido, e, pelo menos para mim, as cores ficaram bastante alegres.
Gosto de quem escreve com espontaneidade.
O texto do diálogo ao telefone ficou realmente genial.
Ganhastes um leitor.
Até mais.

thiago s. cardoso disse...

eu também gostei de seus textos, posso add aos links dos favoritos no meu blog?