domingo, junho 22, 2008

Apelo

Se me ensinares novas palavras, quem sabe, eu volte. Invente, me reinvente. Me refaça e me reconquiste. Traga-me as tardes que nos faltaram, com sol ou chuva. Não me convém decidir sobre as tuas escolhas. Me deixe datas comemoradas e comemoráveis dentro de um punhado soprado de poeira transparente. Nuble meus olhos com seus pedidos de socorro que quase já não mais escuto. Me traga novas palavras e novas fórmulas de usá-las. Muito obrigada por me ter ensinado a deixar qualquer coisa que não fosse minha, assim, de lado. Por ter jogado pra dentro essas minhas vontades de ir e ir e conhecer. Não sinto teu tato e nem teus olhares. Só tua vóz, que me sussura versos lindos, cheios de malícia e encanto. Me ensine novas palavras, que só assim eu volto e te reinvento.

4 comentários:

Rômulo disse...

Gosto dessas coisas que você fala: "nublar os olhos com pedidos de socorro" (Acho que tem uma figura de linguagem que é bem isso, mas sou péssimo nessas coisas de gramática); fora que também gosto de textos que parecem estar destinados a alguém, mas que não deixam isso muito claro. Alguns meus são assim.

Valeu pelo comentário, esses baldes de pensamentos são realmente ótimos.

Também te adicionei nos favoritos, mas não pense que estou apenas sendo recíproco, gostei muito daqui também.
Até mais!

Gabriel disse...

Ensine-me palavars novas e mostrar-me-a o que eu não posso ver!
Você não me conhece, mas o orkut é bom pra isso!
http://foradogibi.zip.net

Rômulo disse...

À vontade! ;) A idéia era bem essa mesmo, colocar as duas questões para que escolhessem ou respondessem uma.

RABELO, Aline disse...

o mundo está em falta de pessoas com um repertorio novo e suficientemente farto que possa ensinar aos seus semelhantes.
por exemplo eu: toda a novidade e toda a abundancia do repertorio q tenho a oferecer se resumem em duas palavras: te amo.